James Bay Brasil » Crítica

James Bay Brasil

18
/05/

Lançamento de Electric Light e Primeiras Impressões Pelo Mundo.

E o dia que tanto esperávamos chegou: Eletric Light, novo álbum de James Bay, já  está disponível em várias plataformas digitais e lojas físicas de todo o mundo.

Em terras tupiniquins o dia começou bem, já que o álbum ocupara a terceira posição das paradas. Poucas horas mais tarde subiu à segunda, e, às 03:20 da manhã, subiu à #1 posição, onde se manteve até a conclusão desta matéria.

Além disso, Eletric Light tornou-se um dos assuntos mais comentados nos Trending Topics do Twitter no Brasil, sendo à 01:10 da manhã, o 10° assunto mais comentado no país.

Ao redor do mundo, o sucesso também é  total, em locais como Reino Unido, Namíbia, Portugal, Grécia, Irlanda, Luxemburgo, Suiça, Singapura, entre outros, Eletric Light já ocupa o topo das paradas.

Mas vamos direto ao que todo mundo quer saber: O álbum é bom mesmo?

De acordo com alguns dos principais críticos musicais do mundo e revistas mais creditadas neste tema, a resposta é basicamente: sim! No site Metacritic, por exemplo, o consenso por enquanto é de 74/100 pontos, o que classifica o álbum como muito bom. Confira um pequeno resumo e tradução das principais críticas até o momento:

Site All Music – Nota 80
“Bay nunca parece querer bajular; ele soa empolgado por ter a chance de fazer o tipo de pop que quer fazer: com várias camadas e gênero flexível, e os ouvintes devem achar essa liberdade encantadora.”

Site Music OMH – Nota 80
“Isso [as partes faladas durante a música] contribui para um álbum sólido, que apresenta essa diferença imediata ao que foi lançado anteriormente, ainda que não se distancie muito do passado de seu criador. Isso certamente não quer dizer que não possa [o álbum] ser apreciado. Electric Light é uma viagem completamente imersiva que mostra que James Bay tem várias ideias transbordando em sua cabeça agora sem chapéu.”

Revista Q Magazine – Nota 80:
“Este novo álbum mostra um desejo admirável por transformação.” [Será publicada em: Junho 2018, p.111]

Site The Independent (UK) – Nota 60:
“Há um pouco da sensualidade do Prince em certas músicas, mas Bay não possui a mesma energia sexual crepitante do Purple One; ele é mais pensativo, introspectivo.”

Revista Mojo – Nota 60:
“Este álbum ambicioso perde sutileza em grandes gestos do tipo de Springsteen, em músicas como Just For Tonight. Bay funciona melhor nas letras com repetições e de “Soul crocante”: Fade Out e Slide. [Será publicada em: Jun 2018, p.95]

Portal RockLine (Brasileiro) – Não deu uma nota, mas publicou uma matéria sobre o álbum, eis um trecho:
“Electric Light” nos apresenta um novo James Bay e é a chance perfeita para você dar uma chance ao músico de apenas 27 anos. Há muito mais em sua criatividade artística do que apenas dois grandes hits.”

Aqui vão alguns avisos e dicas:

Quer ajudar o James a se manter na #1 posição? Nós também! Então corre no Spotify, Deezer, Apple Store, Google Play ou na Regards.com e garanta já seu álbum!

Ajude também nosso querido Bay a divulgar seu trabalho e chegar ao topo dos TT’s mundiais utilizando a hashtag #ElectricLight em suas redes sociais. Compartilhe conosco sua música preferida do Electric Light e o porquê, as respostas mais criativas serão compartilhadas nos nossos stories. 

Postado por
Arquivado em Crítica, Destaque, Resenha
14
/08/

“Pensei que dividiria o palco com grandes nomes da música”, diz Noel Gallagher sobre James Bay.


 

No final de Julho (30), ocorreu um dos maiores festivais do Reino Unido, o Scarborough Open Air e no line-up havia grandes artistas como Simply Red, Will Young, James Bay dentre outros.

Noel Gallagher, ex-guitarrista da banda Oasis, postou uma reclamação em seu Instagram dizendo estar decepcionado em dividir o palco com os artistas citados. Veja o post abaixo:

“Cheguei a pensar que um dia eu faria algo grande e que iria ficar sem palavras por compartilhar o mesmo palco com grandes nomes da música. Infelizmente, não era isso que eu tinha em mente.”

Matéria Original: NME.COM

O que vocês acham sobre isso? Deixe sua opinião nos comentários! 🙂

 

Postado por
Arquivado em Crítica
04
/07/

Crítica: James Bay: Dez na escala de chatice, por DS De Standaard.

Hoje (03), o jornal Alemão, DS De Standaard postou uma crítica muito ruim sobre James Bay por conta de seu show no RockWercher Festival, onde o cantor cantou no palco principal. Confira logo abaixo a tradução completa da crítica traduzida pela nossa equipe.

 

James Bay: Dez na escala de chatice.

 Nós vimos que Bay em diversas ocasiões elogia abertamente a cantora Beyoncé, e que ele assistiu uma apresentação da mesma ontem, dia 02. Só depois de um tempo percebemos: James Bay estava vestindo uma blusa da Beyoncé. A fonte é o perfil oficial do cantor no Instagram.

Em seu show feito hoje, no festival RockWercher, nós estávamos ‘secretamente’ felizes, porque pelo menos tínhamos algo para escrever sobre seu show, mas James Bay foi pelo caminho ruim da coisa. Ele fez o show mais chato da sua carreira até agora.

A primeira metade do seu show, ele só tocou baladas, ou seja, músicas lentas, onde não conseguia evitar os clichés de canções de amor dolorido. Depois de ‘Need The Sun to Break‘ e ‘If You Ever Want To Be In Love‘ precisávamos urgentemente de um tiro de Rock and Roll (e de uma tequila também, rs). Nós tivemos muita sorte ainda, pois ele tocou ‘Sparks‘ antes de tocar ‘Best Fake Smile‘, o público aplaudiu bastante, mas nós… Pena que seu cover de ‘Proud Mary’ não superou a original.

A verdade é o seguinte, Bay quer assumir uma imagem arrogante – acho que ele estava procurando uma razão pra por um sorriso no rosto – mas isso já ficou repetitivo. Ele continua sendo um cantor e compositor introvertido, mas aquele que vem para colocar vantagem quando suas canções forem piores. E tocar músicas ‘clichés’ é uma coisa que você não pode fazer no palco principal de um evento.

Matéria Original: DS De Standaard.

Baes, quero saber a opinião de vocês nos comentários! O que acharam da crítica? Acharam que foi uma crítica ruim? No nosso ver foi uma crítica desnecessária, mas isso não importa, não é mesmo? Me contem o que acharam nos comentários! 🙂

Postado por
Arquivado em Crítica