James Bay Brasil

18
/02/

#WildLove: Assista à prévia do vídeo no Good Morning America!

Na segunda-feira, acontecerá o lançamento do clipe da música “Wild Love“, do James Bay na edição do programa Good Morning America. O programa começa as 08:00am no horário americano, e aqui no Brasil às 10:00h (Horário de Brasília), porém o programa será exibido somente nas televisões dos Estados Unidos. Sendo assim, a única forma de assistir e acompanhar o programa é usando players.

Assista no player abaixo ao programa ao vivo (necessita de Flash Player instalado):


Caso não funcione, tente esse.

Postado por
Arquivado em Destaque
18
/02/

James Bay diz que o desenho “Vila Sésamo” o inspirou em Eletric Light.

No último dia 14, aconteceu o NME Awards, premiação da revista britânica NMW que presenteia os grupos ou artistas solo que mais se destacaram no ano passado ou que contribuíram para a música ao longo da sua própria carreira.

James Bay foi convidado da premiação e foi o responsável por apresentar a categoria de “Melhor Vídeo” e também aproveitou para contar mais sobre o álbum novo nomeado “Eletric Light“, ainda sem data de estreia, e contou que as músicas de abertura dos desenhos “Rei Leão” e “Vila Sésamo” serviram como inspirações para suas músicas.

Confira a entrevista legendada:

 

 

 

Fonte | Tradução e adaptação: Equipe James Bay Brasil – Não reproduzir sem os créditos.

Postado por
Arquivado em Destaque, Entrevistas
16
/02/

Atriz de Stranger Things, Natalia Dyer, atuará junto com James Bay no clipe de Wild Love.

James Bay recrutou Natalia Dyer para o clipe de Wild Love. Natalia Dyer é uma atriz norte-americana, mais conhecida por interpretar Nancy Wheeler em Stranger Things.

“Wild Love é sobre a experiência de se apaixonar por alguém”, disse James Bay na coletiva de imprensa do álbum. “Wild Love é obre algo que você imediatamente sente quando você conhece alguém pela primeira vez, ou durante uma relação. É sobre desejar alguém – mesmo sendo alguém que você não consegue tirar os olhos durante o primeiro encontro, ou no meu caso, uma pessoa que você não para de pensar não importa em qual lugar do mundo você está.”

Boatos de que um pequeno pedaço do clipe sairá na segunda-feira, dia 19, no programa Good Morning America, a partir das 11 horas (horário de Brasília) e após isso, teremos o lançamento oficial do clipe no canal oficial do James.

 

Us Magazine | Tradução e adaptação: Equipe James Bay Brasil – Não reproduzir sem os créditos.

Postado por
Arquivado em Destaque
16
/02/

James Bay comparece aos estúdios da Absolute Radio.

No último dia 8, James Bay compareceu aos estúdios da Absolute Radio para contar um pouco mais sobre Wild Love, segundo álbum, nova aparência e contou um pouco mais de como era tocar nas ruas em troca de algumas moedas. Confira a entrevista traduzida e algumas fotos:

Aparições e Eventos > 08/02 – James Bay no Absolute Radio > Londres > Álbum

 

Postado por
Arquivado em Destaque, Entrevistas
09
/02/

James Bay explica #WildLove e sobre sua colaboração dos sonhos.

O novo single de James Bay, intitulado como Wild Love, foi ao ar ontem (8), e o Joe Hyer da rádio Kiss Fm, teve a chance de conversar com James sobre a música nova.

Na entrevista, James conta a inspiração para Wild Love, coleções de guitarras, sua colaboração dos sonhos, apocalipse zumbi e influências para o novo álbum. Confira os vídeos legendado:

 

Fonte | Tradução e adaptação: Equipe James Bay Brasil – Não reproduzir sem os créditos.

 

Postado por
Arquivado em Destaque
09
/02/

“#WildLove: James Bay lança nova música de trabalho! Confira a tradução da letra.

Hoje (8), foi lançado oficialmente o primeiro single do novo álbum de James Bay. Você pode ouví-la em todas as plataformas digitais clicando aqui.

Confira a música, juntamente de sua letra e tradução abaixo:

Don’t know what to say to you now
(Não sei o que dizer agora)
Standing right in front of you
(Estando bem em sua frente)
Don’t know how to fade in and out
(Não sei como disfarçar)
Don’t know how to play it cool
(Não sei como pegar leve)
Lose a little guard, let it down
(Abaixe sua guarda, deixe rolar)
We don’t have to think it through
(Não precisamos pensar nisso)
We’ve got to let go
(Temos que deixar rolar)

I wanna give you wild love
(Eu quero te dar amor selvagem)
The kind that never slows down
(Do tipo que nunca diminui)
I wanna take you high up
(Eu quero levá-la ao céus)
Let our hearts be the only sound
(Deixe que nossos corações sejam o único som)
I wanna go where the lights burn low and you’re only mine
(Eu quero ir onde as luzes se apagam e você é apenas minha)
I wanna give you wild love
(Eu quero te dar amor selvagem)

Tried to call you to feel you close
(Tentei ligar para você, para sentir você perto)
From a runway in Tokyo
(De uma esquina em Tóquio)
Let’s leave the atmosphere, disappear
(Vamos deixar a atmosfera, desaparecer)
There’s always something left to lose
(Há sempre algo a perder)

But I wanna give you wild love
(Mas eu quero te dar amor selvagem)
The kind that never slows down
(Do tipo que nunca diminui)
I wanna take you high up
(Eu quero levá-la ao céus)
Let our hearts be the only sound
(Deixe que nossos corações sejam o único som)
I wanna go where the lights burn low and you’re only mine
(Eu quero ir onde as luzes se apagam e você é apenas minha)
I wanna give you wild love
(Eu quero te dar amor selvagem)
I wanna give you wild love
(Eu quero te dar amor selvagem)

Let’s be reckless, unaffected
(Sejamos imprudentes, inabaláveis)
Running out until we’re breathless
(Correndo até ficarmos sem ar)
Let’s be hopeful, don’t get broken 
(Sejamos esperançosos, não iremos nos separar)
Let’s stay caught up in the moment
(Continuaremos envolvidos no momento)

I wanna give you wild love
(Eu quero te dar amor selvagem)
The kind that never slows down
(Do tipo que nunca diminui)
I wanna take you high up
(Eu quero levá-la ao céus)
Let our hearts be the only sound
(Deixe que nossos corações sejam o único som)

I wanna go where the lights burn low and you’re only mine
(Eu quero ir onde as luzes se apagam e você é apenas minha)
I wanna give you wild love
(Eu quero te dar amor selvagem)
I wanna give you wild love
(Eu quero te dar amor selvagem)
Give you wild love
(Eu quero te dar amor selvagem)
Wild love
(Amor selvagem)
Wild love
(Amor selvagem)
Wild love
(Amor selvagem)

 

 

 

Postado por
Arquivado em Destaque
07
/02/

Cinco fatos sobre #WildLove, primeiro single do novo álbum de James Bay.

James esteve nos estúdios da iHeartRadio e participou do quadro 5 things. Lá, ele contou cinco coisas que os fãs
precisam saber sobre seu novo single, #WildLove, que será lançado amanhã (8).

No primeiro fato, James conta que não abriu mão de sua guitarra e que ela faz parte da grande maioria do álbum, mas já entrando no segundo fato, ela não é foco do álbum. James contou que no álbum há vários tipos de sons novos, como sintetizadores e coisas eletrônicas, que não encontramos no primeiro álbum.

O terceiro fato sobre Wild Love, é que a letra fala sobre se apaixonar completamente e profundamente sobre alguém.

James disse que nesse álbum, ainda sem nome, que sentiu uma vontade imensa de escrever sobre paixão, já que seu primeiro álbum, Chaos And The Calm, era sobre corações partidos.

No quarto fato, James fala sobre o videoclipe da música. “Apostei muito visual deste clipe, pela primeira vez.”.

No quinto e último fato, James finalmente afirmou que aumentou a banda, confirmando assim, a entrada da tecladista Hinako Omori.

 

Fonte | Tradução e adaptação: Equipe James Bay Brasil – Não reproduzir sem os créditos.

Postado por
Arquivado em Destaque
31
/01/

O novo capítulo de James Bay.

Corte de cabelo novo. Roupas novas. O novo visual de James Bay já demonstrava que o artista está mesmo disposto a começar uma nova fase em sua carreira.

Mais estiloso e descolado, ele concedeu uma entrevista à Melony Torres, na última sexta-feira, 26.

Na ocasião, ele comentou que além da repaginada no visual, também se afastou por todo esse tempo para fazer novas músicas, já que ficou mais tempo do que planejava em turnê, divulgando Chaos and The Calm.

Ele disse ainda que sempre se diverte bastante nas turnês, e por isso não resiste aos convites para tocar em novos e mais espaçosos lugares e também revisitar as  casas de show que o acolheram tão bem. Com isso, ele conta que gastou um total de 4 anos na estrada.

Mas, admitiu ainda que chega uma hora em que ele precisa colocar musicas novas no set e, para isso, precisa sair da estrada, parar e focar em fazer músicas novas. Que gastou a maior parte de 2017 fazendo isso e agora está tudo pronto e pronto para ser lançado, já que ele não gosta de divulgar informações antes de ter certeza.

James é muito grato aos fãs e a todos que o ajudaram a conquistar tudo o que conseguiu em seu primeiro álbum. “Eu viajei pelo mundo algumas vezes. No Reino Unido, ele (o álbum) me fez ganhar um BRIT Awards e nos Estados Unidos ele foi nomeado ao Grammy. Ele me fez tocar no Grammy.  Eu conquistei muito com ele e é por isso que eu queria tanto continuar em turnê, mas sempre chega o momento em que o mais inteligente a fazer é parar e começar de novo.”

Ele passou todo esse tempo em Londres,  com seu amigo, John Green (antigo parceiro musical) que, segundo James, é um ótimo compositor. A dupla dinâmica fez a maioria das músicas do novo álbum juntos.

Uma delas, inclusive, foi produzida por Paul Epworth (Adele, Florence + The Machine, Bloc Party). Durante todo o processo criativo e de execução do segundo álbum, James optou por um grupo seleto e pequeno.

“É tudo sobre evolução” conta Bay, “Chaos and The Calm” foi o primeiro capítulo, está na hora do capítulo 2, está na hora de evoluir e testar coisas novas. Isso significa que o som amadureceu, que ele mudou. Eu não esperaria que nenhum dos meus fãs fossem os mesmos que eles eram 05 anos atrás ou quando descobriram minha música. Então, é divertido evoluir e trazê -los comigo. Há algumas similaridades, que eles serão capazes de perceber e que formam uma ponte com o primeiro álbum. Mas este é também um novo capítulo e uma nova parte da jornada.”

James revela que pretende obter com o segundo álbum o dobro do primeiro. Ele deseja multiplicar o que já fez antes: Espalhar sua música para atrair mais pessoas e conectá-las e levar seu trabalho ainda mais longe, que todos os locais e casas de show em que se apresentou na primeira, vez se tornem agora arenas.

James conta que sua primeira música de trabalho do novo álbum sairá no início de fevereiro. Ela foi feita no início de 2017, mas não foi logo lançada pois “Esse tipo de coisa leva um tempinho para saber se está tudo certo, e agora está” ele conta.

E, na primavera do hemisfério norte, nosso outono, o álbum completo estará disponível.

Quando perguntado se os trechos que ele posta nas redes sociais são dicas, partes de músicas novas, Bay responde enigmático: “Talvez. E essa é a melhor resposta que eu posso te dar.”

James conta ainda que gosta muito de Kendrick Lamar, Elton John, Pink e Alessia Cara e que estava ansioso pelo show deles no Grammy.

Ele conclui dizendo que 2017 foi um ano para ficar em casa, e que agora é hora de viajar.

Fonte | Tradução e adaptação: Equipe James Bay Brasil – Não reproduzir sem os créditos.

Postado por
Arquivado em Destaque
25
/01/

Revelada a data de estreia do primeiro single do novo álbum de James Bay.

Após confirmar que seu novo álbum está finalizado, James Bay está aproveitando o primeiro mês do ano para promover seu novo álbum, ainda sem nome, nas plataformas de rádio. Em visita à rádio KROQ, em Los Angeles, James disse que é uma evolução de quem era antes e que tentou passar o máximo de energias novas para este álbum novo.

Sobre o nome do álbum, James conta que quer manter o suspense e que irá demorar um pouco para contá-lo ao público. “A única coisa que posso revelar agora é que meu novo single sairá dia 8 de Fevereiro.”

 

Postado por
Arquivado em Destaque
17
/01/

Q Magazine: James Bay traz influencias antigas de volta.

Na última Terça (16), saiu a edição de Março da Q Magazine e nela contém a primeira entrevista e review do novo álbum do James escrita pelo redator Paul Moody. Confira a matéria traduzida por nossa equipe:

James Bay traz influencias antigas de volta

O cantor de Hitchin abraça seu lado emotivo em seu segundo álbum. Após dois anos intensos promovendo seu álbum de estreia Chaos And The Calm (que ganhou certificação de Platina) pelo mundo, James Bay voltou para Londres em Dezembro de 2016 em choque. “A turnê acabou. A bolha estourou” ele conta, tomando seu lugar no console de mixagem número 1 do estúdio Baltic Place em Haggerston, leste de Londres. “Quando você se separa da família entrosada que criou na estrada, você perde o seu propósito por um minuto. Eu estava parado, encarando um vazio.” Este não foi um caso comum de Estresse Pós-Turnê.

Apesar do sucesso de seu álbum de estreia, o 1º lugar no Reino Unido que alcançou o Top 20 americano e chegou ao Top 5 do iTunes em 59 países, conquistando um BRIT, três indicações ao Grammy e um Ivor Novello (por Hold Back The River) pelo caminho, o cantor de 27 anos sabia que nunca seguiria tudo isso com o que ele chama de “Chaos And The Calm 2”. “O segundo round tem sido sobre pensar fora da caixa e fazer algo inesperado” ele explica. “Como alguém competitivo, eu me lancei esse desafio. Eu estava mais do que pronto para cortar meu cabelo e deixar o chapéu de lado e aparecer como uma pessoa diferente desta vez. É claro, dizer isso ao seu time, que é assim que você quer jogar, demanda coragem. Trazer você aqui para ouvir as músicas, é um movimento mais assustador ainda. Mas eu estou confiante. O oposto disso é ser tedioso. Então, nem preciso pensar muito – vai coragem.”

Para este fim, Bay juntou-se com seu habitual parceiro de composição Jon Green no Baltic Place e Livingston Studios, Número 1, em Wood Green. Com seu cabelo despojado e sua marca registrada, o chapéu,agora  guardado, ele mudou radicalmente seu padrão musical, inspirado pelas músicas com as quais esteve obcecado enquanto em turnê. “Coloring Book, do Chance The Rapper e Channel Orange do Frank Ocean foram grandes influências desta vez,” ele diz. “Eu passei as férias no Caribe e devo ter ouvido Channel Orange umas 15.000 vezes. Eu sei que isso provavelmente me faz soar como um cara que gosta de guitarra, mas que agora está profundamente interessado em hip-hop. Porém, eu sempre tive um lado soul e não-rock. O interessante para mim foi ter esses dois na minha mão esquerda, e David Bowie e LCD Soundsystem na minha direita, e usá-los juntos.”

Após gravar 12 faixas, Bay as levou para o moderno centro de Paul Epworth, o The Church em Crouch End. “Jon e eu mexemos em tudo, mas não mudamos nada. Ele nos ajudou a seguir na direção certa”, diz ele com um sorriso. Em uma manobra excessiva, foram colocados mais sons para o rádio pelo técnico Tom Elmhirst (Adele, Bowie, Florence + The Machine) no Metropolis Studios em Chiswick.

Após toda essa preparação, há uma expectativa grande quando Bay finalmente aperta play e seis faixas diversas saem dos alto-falantes. Indo de um funk pop no estilo Prince-com-Sesame Street (Wild Love e In My Head) para um blues rock furtivo (Wasted On Each Other), para um new wave estilo Blondie (Pink Lemonade e Wanderlust), as novas músicas são extremamente ecléticas e muito contagiantes.

Em termos de letra, elas estão ligadas por um tema dominante de unidade, que se torna explícito no destaque gospel onde ele canta:

“Tell me how to be in the world (Me conte como viver no mundo)
Tell me how to breathe in and feel no hurt (Me conte como inspirar e não sentir dor)
I believe in something (Eu acredito em alguma coisa)
I believe in us” (Eu acredito em nós)

 Mais sexy e autoconfiante do que em sua estreia, é o som de Bay fazendo o que a maioria dos grandes artistas faz: se reinventar para sobreviver. Eu tiro o meu chapéu para ele.

Fonte | Tradução e adaptação: Equipe James Bay Brasil – Não reproduzir sem os créditos.

 

Scans > 16/01 – Q Magazine > Acesse

 

Postado por
Arquivado em Destaque