James Bay tocou no Lollapalooza em Chicago na última sexta feira (3), e conversou com o Nate Hertweck, redator do site “Grammy.com” no backstage do festival. Confira:

O cantor e compositor James Bay é entre outras coisas, um amante de música bem versátil. Desde seu álbum de estreia, “Chaos And The Calm” ao seu novo álbum “Electric Light”, ele usou muitas variedades de estilo de música como inspiração.

Não só as influências chamam atenção, e sim o modo de como ele traz à vida em sua música.

Nate Hertweck: Você acabou de lançar a sua versão de “The Best”, de Tina Turner. Por que você escolheu essa música?

James Bay: Foram dois motivos, na verdade. O primeiro é que sempre amei essa música. E também porque pareceu inesperado. Acho que é divertido pegar as pessoas desprevenidas.

Nate Hertweck: Você tem um alcance musical muito grande e seu novo álbum demonstra isso. Musicalmente falando, como você escolheu a direção que queria tomar com “Electric Light”?

James Bay: Eu só não queria me apoiar nas mesmas influências que tive no primeiro álbum, que foram artistas como Bruce Springsteen, Ryan Adams e Adele. Para o segundo álbum, artistas como Prince, Michael Jackson, David Bowie, Frank Ocean e Lorde me inspiraram muito. Eu estava ouvindo muito esses artistas enquanto pensava na ideia do segundo álbum. Foi assim que tudo começou.

Nate Hertweck: “Pink Lemonade” surpreendeu as pessoas por muitos motivos e um deles foi à mudança de estilo na música. Você pode me contar como foi escrevê-la e como a encaixou no álbum?

James Bay: Ela é o tipo de música versátil. Você pode toca-la num ritmo lento com um piano sob uma luz meio jazzística ou numa guitarra com um toque de rock alternativo. Minha ideia era que ela se tornasse uma balada lenta, mas John Green, com quem fiz o álbum, me mostrou que seria melhor de um jeito mais animado. Estávamos juntos, ele no piano e eu na bateria, e tocamos “Pink Lemonade” pela primeira vez e amamos. Usamos também a Fender, uma guitarra que amo e a combinação foi perfeita. A música nasceu assim.

Nate Hertweck: Fora a música, quais são seus hobbies preferidos?

James Bay: Jogar futebol. Sou um grande fã de futebol. Amo jogar futebol. Também gosto de desenhar, faço isso desde pequeno. Gosto também de sair e conversar com pessoas por um longo período de tempo. Gosto de viver.

 

Fonte | Tradução e adaptação: Equipe James Bay Brasil – Não reproduzir sem os créditos.