James Bay Brasil

03
/12/

James Bay participa de documentário sobre os 50 anos de carreira do cantor Elton John.

Nessa última semana, foi ao ar um especial de 90 minutos um documentário que celebra os 50 anos de carreira do cantor Sir. Elton John.

Intitulado como The Nation’s Favorite Elton John Song, o entrevistador David Walliams e Elton John conversam sobre uma carreira extraordinária e fazem um Top 10 das canções mais adoradas pela nação.

O documentário também contou com aparições de artistas e amigos como James Bay, Ed Sheeran, Shawn Mendes, Annie Lennox, Rod Stewart, Chris Martin, Billy Joel, Kiki Dee, James Corden e entre outros.

James Bay fez pequenos comentários sobre a música Saturday Night’s Allright, que ficou em 18° lugar das músicas mais adoradas e depois comentou sobre Tiny Dancer, uma de suas músicas preferidas, que ficou na 7° posição.

O documentário completo você assiste pela ITV.

Confira o pequeno trecho legendado pela nossa equipe:


All credit goes to ITV.

 

Fonte | Tradução e adaptação: Equipe James Bay Brasil – Não reproduzir sem os créditos.

 

 

Postado por
Arquivado em Destaque
25
/11/

Bem vindo à nova versão do James Bay Brasil.

É oficial: a nova era do James Bay está mais próxima do que parece, e com isso, nós iniciamos uma nova fase para o James Bay Brasil, a maior e única fonte de noticias sobre o James Bay no Brasil.

Os responsáveis por esse novo layout foram: a Mel Silva do @MelSilvaDesign, a Gabi do @BRStanaKatic e o Ruben do @mglinduhmen. Foi um enorme prazer trabalhar com eles, pois se mostraram super pacientes e nos deram toda dedicação que nós precisávamos. Deixamos aqui nosso agradecimento e indicação do trabalho maravilhoso que fizeram. ♥

Antes, também gostaríamos de agradecer todos os parceiros que nos ajudaram até aqui e continuam ajudando e nos apoiando. Saibam que vocês são incríveis!

Agora no site, além de encontrar todas as notícias da carreira do James, vocês encontrarão biografia, discografia, curiosidades e todos as nomeações e prêmios que ele já recebeu durante sua carreira como músico.

Também disponibilizamos uma galeria, totalmente atualizada com mais de duas mil fotos do cantor, dividas por categorias como eventos, ensaios fotográficos, shows e scans de revistas desde 2013.

Esperamos que tenham gostado, pois isso significa muito para todos nós da equipe. Obrigada à todos que nos acompanham por aqui. São dois anos de James Bay Brasil e esperamos que venham muito mais.

 

Att,
Andressa, Beatriz, Paula, Rebeca, Tai e Naná.

Postado por
Arquivado em Destaque
19
/11/

James Bay trabalhou com Rod Stewart para o novo álbum!

O site britânico de música, o Contact Music, conversou com James Bay durante sua passagem ao red carpet do Europe Music Awards e o questionou sobre o álbum novo, que ainda não tem data prevista para lançamento.

Confira a matéria feita:

O cantor de “Hold Back The River” nos revelou que gravou uma faixa com a lenda do rock, Sir Rod Stewart! James Bay acrescentou que ela será lançada em breve, mas disse também, que está se concentrando apenas em seu próprio som.

“A ideia de colaboração é incrível, não vou negar. Mas esse ano tem sido incrível e estou focando apenas em meu som. Estou fazendo uma música com o Rod Stewart, estamos terminando e estou muito ansioso para as pessoas ouvirem isso.”

Fonte | Tradução e adaptação: Equipe James Bay Brasil – Não reproduzir sem os créditos.

Postado por
Arquivado em Destaque
15
/11/

Fotos & Vídeos: James Bay no MTV Europe Music Awards.

Aconteceu no último domingo, 12 de Novembro, o MTV Europe Music Awards de 2017 na Wembley Arena, em Londres. A premiação teve como apresentadora Rita Ora.

Como havíamos postado, o evento contou com apresentações de artistas como Camila Cabello, Eminem, Liam Payne, Rita Ora, Demi Lovato e Shawn Mendes.

James Bay, responsável por apresentar a categoria Best Alternative para a banda Thirty Seconds To Mars, compareceu à premiação para fazer seu “retorno” depois de alguns meses longes das mídias.

Confira as fotos e vídeos da sua participação:

Aparições e Eventos | Appearances and Events > 2017 > 12/11 @ Europe Music Awards (Arrivals)
Aparições e Eventos | Appearances and Events > 2017 > 12/11 @ Europe Music Awards (Press Room)

 
OU
 

Aparições e Eventos | Appearances and Events > 2017 > 12/11 @ Europe Music Awards (Arrivals)

Aparições e Eventos | Appearances and Events > 2017 > 12/11 @ Europe Music Awards (Press Room)

Entrevistas concedidas no backstage:


Postado por
Arquivado em Destaque, Entrevistas
12
/11/

Saiba como assistir ao MTV Europe Music Awards 2017!

James Bay confirmou presença no “MTV Europe Music Awards” de 2017, que acontecerá no dia 12 de Novembro em Londres, Reino Unido. A premiação será transmitida direto da Wembley Arena.

Essa será a primeira vez que James fará uma aparição depois de apagar suas fotos e confirmar que o segundo álbum está a caminho.

Cantores como Demi Lovato, Camila Cabello, Liam Payne, Shawn Mendes, The Killers, Clean Bandit e mais se apresentarão no evento.

A transmissão do tapete vermelho será realizada pelo canal da MTV Brasil às 17h00 (horário de Brasília) e a cerimônia de premiação será transmitido pelo mesmo às 18h00 (horário de Brasília). Saiba como assistir logo abaixo:

MTV BRASIL (TV A CABO):

  • Sky TV (canais): 159 e 559 (HD)
  • Claro TV (canais): 121 e 621 (HD)
  • Algar TV (canais): 389
  • Vivo TV (canais): 556 e 73 (HD)
  • Oi TV (canais): 132 e 134 (HD)

MTV BRASIL (ONLINE):

  • Players (não contém anúncios): 1 | 2 | 3 (Em breve)

MTV USA (ONLINE):

  • Players (contém anúncios): 1 | 2 | 3

Fonte | James Bay Brasil – Não reproduzir sem os créditos.

Postado por
Arquivado em Destaque
30
/10/

James Bay mostra que está trabalhando em seu novo álbum.

Após um blackout nas redes sociais, James Bay finalmente deu um sinal de vida. O cantor já havia dito que estava trabalhando em seu novo álbum, que ainda não há nome e nem data de lançamento. Na tarde de segunda feira, 30, o cantor publicou três fotos em suas redes sociais mostrando estar em estúdio.

Confira:

Postado por
Arquivado em Destaque
24
/10/

Miss Vogue Encontra: James Bay.

Na tarde de Terça (24), a Vogue soltou uma matéria falando sobre a linha de roupas do James. Confira a matéria traduzida pela nossa equipe:

Música e moda sempre tiveram uma relação estreita. Músicos inspiram designers, enquanto designers permitem, por meio de suas coleções criativas, que músicos se expressem.

James Bay segue agora ambas carreiras. Com a sua coleção para a Topman, que é sucesso absoluto, o cantor e compositor britânico segue os passos de outros nomes conceituados que, antes dele, criaram uma marca focada em sua figura pública.

A parceria com a Topman parece uma combinação perfeita, além do início de uma grande jornada no mundo da moda para James: “Quando eles entraram em contato comigo foi muito bom, me senti estranhamente afortunado e quase que um pouco sentimental.”

Como para a maioria de nós, roupas casuais eram e continuam sendo, uma constante no guarda-roupa de James, especialmente quando ele começou a encontrar seu estilo próprio. “Quando você entra para uma banda, você sobe no palco e começa a pensar “eu quero parecer alguma coisa”, e então a Topman se tornou relevante. Eu lembro da primeira vez que entrei numa Topman, 10 anos atrás, para escolher minha primeira roupa de palco, a primeira roupa que eu não iria destruir enquanto andava de skate.”

Topman também foi relevante quando pensava nos fãs que estão ansiosamente esperando seu segundo cd. “Inicialmente foi algo muito sentimental porque a Topman foi o primeiro lugar que fui e me senti bem em comprar roupas. Também, obviamente, foi importante para mim porque meus fãs não compram roupas só na Burberry e na Saint Laurent, eles vivem em lugares como a Topman.”

Assim como James se envolve na jornada completa de uma música, ele se envolve em cada elemento do processo criativo da coleção – desde de escrever á mão os créditos do catálogo, criar as ilustrações e desenhar á mão as estampas vistas na peça central da coleção: uma jaqueta bomber. “Eu ainda estava em turnê enquanto fazia o design da coleção, então, eu tinha um caderno de desenho para roupas. Muitas ideias vinham quando eu saía do palco e pensava no que eu estava vestindo aquela noite e o que eu teria mudado no look. Uma parte essencial do meu trabalho é escrever músicas, a ponto de colocar minha própria caneta no papel e escrever a letra. É como eu faço com qualquer coisa criativa. Muitas pessoas escrevem músicas e as digitam em seus telefones, o que é totalmente válido, mas eu não consigo um bom resultado fazendo isso. Eu geralmente escrevo mais a mão, para que eu consiga me expressar melhor.”

Agora, com a experiência em escrever músicas e criar uma coleção, o que James acha mais difícil? “Não é querendo dizer que desenhar roupas [seja fácil]”, explica ele. “Depende do que você quer obter com isso. É um pouco mais fácil acertar, enquanto que na música há sempre algo compreensivelmente brutal em tocar uma música para alguém, ela não ser boa o suficiente e as pessoas não gostarem dela. Você não pode mudar isso, você terá que trabalhar mais para escrever uma melhor. Então, é mais recompensador no final.”

Da mesma forma que James se inspira em suas experiências de vida para compor, o mesmo aconteceu com sua coleção. Principalmente seus gostos e preferências que ditaram o resultado final, visto pela lente de suas influências musicais. “Quando você está fazendo música, você pensa ‘o que Michael Jackson faria? O que Bruce Springsteen faria? O que Kings of Leon fariam?.’ Então, foi mais como pensar o que essas pessoas vestiram, sabe? Eu basicamente olhava e pesquisava muito.”

A influência número 1? David Bowie. “Parecendo ou não, eu lembro de observar várias facetas do seu estilo, especialmente no início dos anos 80. Ele passou a década de 70 sendo o mais glamuroso possível, e então ele passou a ser super simples e sutil, com jaquetas de couro e suéteres de lã. Eu me inspirei nessa versão dele, que é bem direta e sutil, mas que tinha alguns detalhes que se destacavam como os ombros e a parte de trás de suas jaquetas. Eram coisas assim que eu queria testar, explorar, e capturar na minha coleção com a Topman.” “Vou aproveitar essa oportunidade para dizer que eu gostaria que todo mundo sentisse que pode vesti-las. Roupas como as desta coleção passam uma sensação de chique e descoladas. Eu quero que todo mundo possa fazer isso e que sinta que eles podem vesti-las de forma grandiosa e larga, ou bem pequena, ou apenas como parte de um conjunto. O sentimento andrógeno foi a coisa mais importante.”

O que mais vai te surpreender nessa coleção, é que ela não tem chapéus. Madonna teve o sutiã em formato de cone, Michael Jackson a luva, Harry Styles o terno floral, e para James, a peça de roupa mais associada a sua imagem tem sido o chapéu. Por que ele foi deixado de fora da coleção? “Quem teria pensado nisso? Eu não queria usar chapéu o tempo todo. E eu não queria desenhar um. Em todos os shows que fiz durante a turnê do meu primeiro álbum, usando um chapéu, em alguns momentos pensei, ‘Eu não quero vestir isso, não combina com o chapéu.’ Isso é estressante, e eu não queria passar por toda essa experiência pensando nisso. Isso é chato e, com certeza, não para mim. A coleção não é para mim, é para todo mundo, e todo mundo provavelmente não quer usar chapéu – então eles não devem ser obrigados a isso.”

Com a Topman marcando presença em toda a Grã-Bretanha, James está destinado a esbarrar com alguém vestindo um de seus designs. Bem diferente de ouvir alguém assobiando uma de suas músicas, ele admite: “vai ser bem legal. Digo, vai ser um pouco estranho se eu estiver andando na rua e alguém vestindo algo que eu desenhei me ver. Eu fico meio envergonhado em ser a ‘pessoa que desenhou’ isso. É tão embaraçoso.”

Ensaios Fotograficos | Photoshoots > 2017 > Miss Vogue Meets: James Bay.

Fonte | Tradução e adaptação: Equipe James Bay Brasil – Não reproduzir sem os créditos.

Postado por
Arquivado em Destaque
04
/10/

Total Guitar: Eu & Minha Guitarra.

Na edição da maior revista de música de Setembro, temos uma pequena entrevista com James Bay sobre sua Epiphone Century e ele conta como foi a experiencia de ter sua própria linha de guitarras. Confira:

1) Este é um verdadeiro sonho que se torna realidade, bem como, tenho certeza, todos os outros que já tiveram sua própria linha de guitarras, diriam. A realidade que vem quando você tira a guitarra do pela primeira vez… É de tirar o fôlego. Na escola, eu era aquele que tocava guitarra, que lia revistas sobre guitarra e via todas essas pessoas lançando suas próprias linhas personalizadas de guitarras, e outros guitarristas que faziam o mesmo e, de repente, pela primeira vez, eu tinha a minha. É uma honra enorme chamar essa linha de guitarra da Epiphone, a Century 1966, de minha.

2) Esta é uma guitarra simples – O modelo ’66 foi o primeiro que eu tive, fui atraído a ele e me apaixonei por ele, e eu ainda amo por causa de sua simplicidade. Era uma guitarra sem pretensões. Você pode tocá-la como um instrumento bem acústico ou conectá-la a um amplificador, e ela continua produzindo um som muito interessante e orgânico.

3) Eu sou um grande fã da P-90; na verdade de uma Kin­man Noise­less [Sweet Neck] P-90. Vou ser sincero, as pessoas dizem ‘Você precisa permanecer fiel á P-90, e se fizer algum ruído, deixa fazer o ruído’ – e eu adoro esse som – mas tendo tocado em vários programas de TV e nas mais diversas casas de show com diferentes aparelhos eletrônicos rolando no local, eu acabava conseguindo extrair o excelente som da P-90, em parte por causa dos amplificadores que eu uso e em parte por causa da forma como eu toco, ela continua soando como um ótimo captador. Então, se você diminui um pouco esse ruído, você ouve mais do captador.

4) Nós investimos em detalhes únicos, como tarrachas de bronze, fizemos ela simples e única. Eu coloquei meu pequeno logotipo na parte de trás do head­stock. Nós tentamos permanecer fiéis à cor cereja ao máximo, mas as guitarras daquela época tinham, em sua maioria, um acabamento bem sólido e, uma das coisas que eu mais gosto nesta guitarra em relação a sua aparência é que você consegue ver um pouco da gramatura, um pouco da madeira por entre a cor. Houveram vários protótipos ao longo do caminho que tinham essa pegada mais sólida, porque eu queria acertar o tom de vermelho; eu acho que a original era um pouco laranja, mas eu queria que essa fosse mais vermelho-tijolo.

5) Eu não comprei a strap (alça da guitarra) em uma loja de instrumentos; eu não a encontrei no mundo musical. Na verdade, o material usado para esta strap é o mesmo utilizado nas bainhas de vestidos sari (vestidos indianos). Então, a Epi­phone carinhosamente replicou esse material para mim. Eu tenho certeza que as únicas straps que eu já usei quando tocava essa guitarra, foram feitas em casa. No fim dela também, você pode [ver meu chapéu] o logo.

Confira a revista em nossa galeria:

Outros | Others > Scans > Total Guitar (Setembro 2017)

Postado por
Arquivado em Destaque
25
/09/

Hold Back The River é trilha sonora do filme “Big Pai, Big Filho”. Saiba mais:

James está em estúdio gravando seu segundo álbum, mas continua dominando as trilhas sonoras de filmes e séries por aí.
Hold Back The River fará parte da trilha sonora do filme infantil “Big Pai, Big Filho”. O filme conta a história de um menino que descobre ser filho do Pé Grande.

Confira o trailer dublado:

 

 

“Big Pai, Big Filho” estreia dia 2 de Novembro em todos os cinemas do Brasil.

Postado por
Arquivado em Destaque